Blog - Artigos Jurídicos

Como se comportar em audiência cível ? 17 dicas infalíveis

Dicas essenciais de como falar (e perder o medo) de falar em audiência

Avalie-nos e receba de brinde diversas petições!

  • star_rate
  • star_rate
  • star_rate
  • star_rate
  • star_rate
  • 4.8/5
  • 12 votos
Facebook icon
e-mail icon
WhatsApp

 

Os advogados iniciantes e o receio de realizar audiência

 

Cremos que os colegas advogados, sobretudo recém-formados e iniciantes dessa belíssima carreira advocatícia, ainda sentem um desconforto ao realizarem suas primeiras audiências. Sejam elas audiências conciliatórias ou mesmo de instrução e julgamento, bate aquele frio na barriga ao se adentrar na sala de audiência.

 

Em verdade, há dificuldade de como se comportar em audiência, seja ela cível, criminal ou trabalhista.

 

 

Quer assistir mais vídeos ? Assine nosso canal no YouTube | aqui | 

 

Confira este infográfico sobre as perguntas em audiência | neste link |

 

Por isso mesmo fizemos esse vídeo, o qual voltado a passar algumas dicas para, ao menos, minimizar esse medo de falar em audiência, seja de conciliação ou de instrução, sobremodo naquelas de instrução em varas de família (pensão alimentícia).

 

A regra é que esse temor venha do “berço”: a Universidade

 

O assunto do qual nos detemos nesse vídeo é quanto à origem desse temor de falar audiência, seja essa de instrução e julgamento ou, até mesmo, na audiência conciliatória.

 

Obviamente que há o medo decorrente da timidez. Mas, esteja certo, o maior número de advogados ficam nessa situação por falta de preparo, não por ser uma pessoa tímida.

 

Veja aqui modelo de petição requerendo o adiamento de audiência 

 

Para nós esse medo nasce na sala de aula, ou melhor, da ausência de sala de aula que propicie um ambiente similar àqueles destinados à realização de audiências nas lides forenses.

 

É dizer, uma espécie de “laboratório” no qual o professor de prática forense tornasse a audiência cheia de “entraves processuais”, de situações atípicas, de adversidades etc.

 

Enfim, de momentos criados propositadamente pelo professor de prática jurídica, de sorte a adaptar o futuro advogado aos reveses rotineiros das audiências, saber, de fato, como funciona um audiência.  

 

Recomentação nº. 01: Conheça bem seu oponente

 

De toda conveniência, antes de tudo, lançarmos as lições colhidas do célebre livro “A arte da guerra”, de Sun Tzu:

 

O bom estrategista, para vencer uma batalha, faz antes muitos cálculos no seu templo, pois sabe que eles são a chave o conduzirá à vitória. É calculando e analisando que o estrategista vence previamente a guerra na simulação feita no templo. Portanto, fazer muitos cálculos conduz à vitória, e poucos, à derrota. Quando examino a questão dessa forma, o resultado da guerra torna-se evidente.”

 

 

Pois bem, muitos colegas advogados iniciantes simplesmente vão à audiência sem nada (ou mesmo pouco) conhecer do processo.

 

E, na verdade, conhecer bem o adversário, é um fator que reduz (e muito) o medo de audiência.

 

Máxime, já sabendo-se quais perguntas fazer.

 

Aqui, não só a parte adversa pode ser entendida como oponente no processo.

 

Na realidade, todos os aspectos processuais que decorrem do fluir da audiência são também adversários.

 

No momento que o colega advogado recém-formado não tem em mente todas (dissemos “todas”), as projeções processuais de uma audiência, chamou para si uma grande responsabilidade.

 

O temor irá pairar em sua mente, pois ele não sabe qual o monstro que o aguardará naqueles breves minutos.

 

Todavia, veja o inverso disso.

 

Se o advogado vai para a batalha conhecendo seu adversário e, maiormente, o “campo” onde ocorrerá essa batalha (leia-se, audiência), esteja certo que esse medo será reduzido significativamente.

 

Assim, cabe ao advogado fazer, digamos, uma simulação de possíveis imprevistos que poderão ocorrer na audiência.

 

Por exemplo: se o advogado da parte adversa não vai à audiência de instrução e julgamento, farei “isso” com fundamento “nessa regra processual”; se o magistrado indeferir minha pergunta, farei “isso” com fundamento “nessa regra processual”; se for indeferido o pedido de prova, farei “isso” com fundamento “nessa regra processual”; se a testemunha foi suspeita, farei “isso” com fundamento “nessa regra processual”.

 

Conhecer bem o processo, ajuda bastante.

 

Se você tem conhecimento da contestação e da petição inicial, além de outros documentos imersos nos autos, facilitará substancialmente seu conduzir, mormente quanto à formulação de perguntas à parte contrária e/ou testemunhas.

 

Recomendação nº. 02: intervir, quando necessário, com o famoso “pela ordem”

 

Não é incomum o colega advogado iniciante enfrentar adversidades quanto às condutas de advogado, magistrado, testemunhas, intérpretes etc.

 

São posturas que resvalam da diretriz fixada em lei, e precisam ser aprumadas, ser colocadas “em ordem”.

 

Se, por exemplo, o causídico da parte adversa resolve fazer perguntas em audiência diretamente ao seu constituinte, há grave erro processual.

 

Caberá a você, como advogado, se assim não for feito pelo Magistrado, pedir a palavra pela ordem e repudiar a postura do seu colega.

 

É dizer, utilizar-se da prerrogativa legal que lhe é dada pelo Estatuto da OAB (EOAB, art. 7º, incs. X e XI).

 

O que se observa, no entanto, justamente pelo receio de falar em audiência, é que os advogados deixam de tomar essas prudentes providências e, não raro, acabam trazendo sequelas graves à satisfação dos direitos do seu cliente em juízo.

 

Recomentação nº. 03: outras dicas para advogados iniciantes estão contempladas neste vídeo

 

Convido os colegas advogados, máxime os colegas recém-formados, a assistirem o inteiro teor desse vídeo que gravamos.

 

Certamente será proveitoso, pois nele procuramos estampar inúmeras posturas a serem adotadas pelos advogados, as quais, seguramente, irão minimizar o receio de falar em audiência.

 

Espero que gostem !! Até o próximo vídeo. 

 

Alberto Bezerra é professor de Prática Forense Penal, Civil e Trabalhista. Advogado atuante desde 1990. Também leciona a disciplina de Direito Bancário. Pós-graduado em Direito Empresarial pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo(PUC/SP). Articulista, palestrante e autor de diversas obras na área do direito, incluindo Prática Forense Bancária, Prática da petição inicial cível (com petições cíveis no novo CPC em PDF), Prática da petição inicial: família, Teses de Defesa na Prática Forense Penal e A Teoria na Prática: Responsabilidade Civil. Fundador do site Peticoes On line.

 Confira » aqui « o manual de petições cíveis prontas (download em PDF) do Prof Alberto Bezerra

 

 

 

Tópicos do Direito:  audiência conciliatória

Faça login com Facebook para comentar