Peças Processuais

Exceção de pré executividade no Novo CPC - Juizado Especial Cível - Penhora bem de família PN831

Modelo de petição de exceção de pré executividade, conforme novo cpc, ajuizada perante unidade do juizado especial. Impenhorabilidade de bem de família.

Baixe 9 petições grátis
Facebook icon
e-mail icon
WhatsApp
Trecho da petição

Ref.: Modelo de exceção de pré executividade no juizado especial cível PN831

 

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 00ª UNIDADE DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA CIDADE

 

 

 

 

 

 

 

Ação de Execução de Título Judicial

Processo nº. 445577-99.2018.10.07.0001

Excipiente: Mario das Quantas

Excepto: Condomínio Residencial Flores 

 

 

                                      JOAQUIM DE TAL, viúvo, aposentado, residente e domiciliado na Rua Delta, nº. 000, apto. 201, nesta Capital, – CEP .55.444-333, inscrito no CPF (MF) sob o nº. 111.222.333-44, ora intermediado por seu procurador ao final firmado – instrumento procuratório acostado –, esse com endereço eletrônico e profissional inserto na referida procuração, o qual indica-o para as intimações que se fizerem necessárias, vem, com o devido respeito a Vossa Excelência, com suporte no art. 52, caput, da Lei dos Juizados Especiais c/c art. 833, inc. I, do CPC e art. 1º da Lei 8.009/90, ofertar a presente 

EXCEÇÃO DE PRÉ EXECUTIVIDADE, 

em razão das justificativas de direitos e de fato, abaixo evidenciadas.

 

I – CONSIDERAÇÕES INICIAIS

 

1.1. Cabimento deste pleito perante este juízo

 

                                               Antes de tudo, de toda prudência que revelemos considerações acerca da pertinência processual do presente pleito, máxime em sede de demandas executivas que tramitam perante unidades do Juizados Especiais.

 

                                               Primeiramente, impende transcrever o magistério de Felippe Borring, quando, manifestando-se acerca da pertinência da exceção de pré-executividade afirma, ad litteram:

                                                          

Em linhas gerais, a exceção de pré-executividade, cuja elaboração doutrinária é atribuída a Pontes de Miranda, representa uma via de impugnação incidental e atípica ao direito de ação do credor dentro da execução. Assim, tendo em vista os escopos da Lei, não vislumbramos obstáculos à sua utilização nos Juizados Especiais, sempre em hipóteses excepcionais, onde ficar demonstrado evidente equívoco no manejo da execução pelo credor. Necessário frisar que a exceção de pré-executividade somente é cabível quando discutir questão de ordem pública que prescinda de dilação probatória....

( ... )

 

II – QUADRO FÁTICO

 

                                      A presente Exceção de Pré-Executividade tem por objetivo afastar a constrição de imóvel residencial, objeto da matrícula nº. 002233 do Cartório de Registro de Imóveis da Cidade (PP).

 

                                               Na hipótese, o Excipiente se apresenta como possuidor e titular direto do mesmo. Comprova-se por meio de faturas de cobrança de luz, água e telefone. De mais a mais, vê-se que, todas, contêm diferentes datas e períodos, compreendendo os anos de 0000 a 1111, em sua totalidade enviadas ao endereço do imóvel penhorado. (docs. 01/36)

                                              

                                               Nesse diapasão, comprova-se, mediante certidões cartorárias, que o bem penhorado é o único imóvel que lhe pertence (docs. 37/44). E isso, igualmente, constata-se de suas Declarações de Imposto de Renda, dos últimos cinco (5) anos. (docs. 45/50)

 

                                               Nesse passo, inconfundível que houvera penhora de bem de família.  Por esse motivo, há de ser declarada nula, máxime por afronta ao art. 833, inc. I, do CPC e art. 1º, da Lei 8.099/90.

 

III – NULIDADE ABSOLUTA DA PENHORA

 

                                                Com efeito, encontra-se sobejamente demonstrado que o imóvel, penhorado, é o único de propriedade do Executado. Noutro giro, serve como utilidade pela entidade familiar, de moradia permanente, nos exatos termos da Lei nº. 8.009/90(art. 1º).

 

                                               Dado isso, deve ser reconhecida sua impenhorabilidade, porque se mostra como bem de família.

 

Lei nº. 8.009/90

 

Art. 1º - O imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade familiar, é impenhorável e não responderá por qualquer tipo de dívida civil, comercial, fiscal, previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam, salvo nas hipóteses previstas nesta Lei.

                                                           

                                                Nesse compasso, essa norma, de caráter cogente, define que, mesmo diante de crédito de natureza existencial, como ocorre com o crédito trabalhista, há óbice à constrição. Em seu âmago, veem-se valores de igual ou maior magnitude, como a proteção constitucional à casa, abrigo inviolável do cidadão, espaço de proteção à família. Esse diploma legal, com dito, trata de proteger valores sociais, como aqueles aludidos ao direito à moradia e à manutenção da unidade familiar. (CF/88, arts. 6º e art. 226 e parágrafos)

 

                                      Revele-se, ainda, tocante à tempestividade, que o Excipiente, antes do ocorrido processual, não tivera qualquer conhecimento da restrição judicial.

 

                                               Com esse enfoque, reza a Legislação Adjetiva Civil que:

 

Art. 833.  São impenhoráveis:

I - os bens inalienáveis e os declarados, por ato voluntário, não sujeitos à execução; 

                                                              

                                                               Deveras, sem qualquer esforço se nota que, em conta desse dispositivo, a constrição é incapaz de produzir qualquer efeito.

 

                                                Nesse diapasão, é altamente ilustrativo transcrever os seguintes arestos:

( ... )

 

 

Sinopse

Trata-se de modelo de petição de Exceção de Pré-Executividade por Penhora de Bem de Família, em face de Ação de Execução que tramita perante unidade do Juizado Especial Cível, ajuizada por condomínio residencial, buscando receber quotas condominiais.

Em linhas iniciais, sustentou-se argumentos quanto ao cabimento da Exceção de Pré-Executividade, mesmo em sede de demandas que tramitam perante Juizados Especiais Cíveis Estaduais

Lado outro, narra-se a penhora fora efetuada em imóvel utilizado como bem de família. Assim, seria inquestionável que a hipótese atrairia a norma contida no art. 833, inc. I, do Código de Ritos e, ainda, em decorrência da Lei 8.009/90. Com efeito, a constrição era eivada de nulidade absoluta.

Nesse passo, sem qualquer esforço se via que a constrição era incapaz de produzir qualquer efeito. 

Diante dos fundamentos estipulados, levando-se em conta, igualmente, aos ditames do art. 52, caput, da Lei 9.099/95 c/c art. 833, inc. I, do CPC/2015, pediu-se o acolheimento da exceção de pré-executividade. Em conta disso, fosse determinado o lentamento da penhora, a qual incidida em imóvel utilizado como bem de família. 

Foram inseridas notas de jurisprudência de 2018.

 

 

Jurisprudência Atualizada
Jurisprudência Atualizada desta Petição:

 

AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. CABIMENTO.

Ilegitimidade passiva em razão de irregularidade no redirecionamento da execução e impenhorabilidade de bem de família. Matéria que pode ser conhecida de ofício e não demanda produção de provas além daquelas que acompanharam o incidente, não impugnadas pelo agravado. Redirecionamento requerido e deferido por presunção de encerramento irregular. Certidão da oficial de justiça que informa apenas a mudança de endereço. Alteração da sede já registrada na JUCESP na data da tentativa de citação. Redirecionamento deferido sem requisito válido nos termos do art. 135, III do CTN. Exceção acolhida, com extinção da execução em relação à agravante. Recurso provido. (TJSP; AI 2049194-08.2018.8.26.0000; Ac. 11592492; Cotia; Segunda Câmara de Direito Público; Relª Desª Luciana Bresciani; Julg. 30/06/2018; DJESP 06/07/2018; Pág. 2187)

Outras informações importantes


por 12x de R$ 7,08 sem juros ou R$85,00

*R$ 76,50 (10% de desconto) no boleto bancário

Avaliações
Boa tarde, Agradeço, fui muito bem atendido, atingiu a minha expectativa. Grande abraço e até a próxima.
Avaliação 5 de 5
Avaliação: 
Excelente
Faça login para comentar

Ou faça o login com...

Avalie-nos e receba de brinde diversas petições!

  • star_rate
  • star_rate
  • star_rate
  • star_rate
  • star_rate
  • 4.7/5
  • 17 votos

Características deste modelo de petição

Comentários

Área do Direito: Cível

Tipo de Petição: Exceção de Pré-executividade

Número de páginas: 13

Última atualização: 06/08/2018

Autor da petição:

Ano da jurisprudência: 2018

Doutrina utilizada: Felippe Borring, Humberto Theodoro Jr.

Histórico de atualizações

por 12x de R$ 7,08 sem juros ou R$85,00

*R$ 76,50 (10% de desconto) no boleto bancário

Vizualizar preview aspect_ratio Vejas aqui as vantagens de adquirir nossas peças

Todas as petições do site são em arquivos Word editáveis, adaptando-se perfeitamente ao seu caso.

Faça a diferença: nossas peças já vêm com notas de jurisprudência, leis e doutrina.